16.12.03

Quem tem medo de Ruby Wax?

Ela é conhecida por suas entrevistas impagáveis, que costumam revelar aspectos inusitados da vida de famosos como Pamela Anderson, Bette Midler, Jim Carey, Goldie Hawn e muitos outros. Ela tenta deixar seus personagens bem à vontade, mas não hesita em fazer uma careta de reprovação para as câmeras ao escutar o que não concorda. Com a famosa entrevistadora Ruby Wax não tem tempo fechado: todo dia é dia de grandes risadas.

Ruby é inglesa e começou a carreira como atriz, sem obter sucesso. “Eu era terrível atuando”, conta ela por telefone, de Londres. Ruby chegou a trabalhar escrevendo e produzindo programas e documentários, mas logo sua carreira de entrevistadora de celebridades engrenou. Hoje, para fazer um programa de apenas 30 minutos, ela grava em média 10 a 12 horas com cada entrevistado. “Eu tento deixar todos bem, os levo para passear e fazemos coisas juntos. Na hora não percebem o que dizem, mas quando assistem ao programa não acreditam que foram capazes de confessar certas coisas. Ficam escandalizados com o que falaram para mim”, revela.

Namoro arranjado

Em uma entrevista com Pamela Anderson, ela chegou a comparar o tamanho dos seios das duas e trocar conselhos sobre maternidade. Em outro momento tentou arrumar um namorado para a sua própria filha com o filho de Pamela! “Eu sou paga para ser engraçada, se o entrevistado é chato penso que tenho que fazer alguma coisa. Quando a pessoa é interessante eu fico quieta”, conta Ruby.

A entrevista que Ruby considera mais interessante em sua carreira foi com OJ Simpson, feita há cerca de três anos. Ela o levou para passear nas ruas e Simpson cumprimentou pessoas que exclamavam que “nunca tinham apertado a mão de um assassino antes”. Ele também brincou com Ruby de esfaqueá-la com uma banana. “Eu fiz essa entrevista por prazer profissional, para satisfazer a uma curiosidade minha. É claro que com ele não fui tão engraçada”, conta ela.

Sem arrependimentos

Para não causar grandes constrangimentos, Ruby chega a tirar certas cenas da edição final a pedido de seus entrevistados: “Se a pessoa não quiser que eu coloque algo no ar acabo tirando, tento ser justa com eles, ser igual. Eles me dizem muitas coisas e tenho que dar esse retorno para eles. Se os artistas ficam zangados a entrevista acaba”, explica.

E afinal, o que tira Ruby Wax do sério? “O público achar que o que está assistindo levou somente trinta minutos para ser feito. Eu fico horas e horas falando para poder tirar o melhor e não percebem todo o trabalho que existe por trás das câmeras”, exclama ela.

Apuração e texto: Débora Braunstein
Publicado na Revista do GNT – edição dezembro/ 2003.